Leitura

Os Clássicos da Literatura e os Vestibulares

Por que é tão importante ler um clássico da literatura?

Os clássicos da literatura refletem a cultura de um povo ou de um período da história da humanidade. Seus autores são verdadeiros artistas, que trabalham a linguagem de forma singular com o intuito de abordar situações que sempre permearão a sociedade.

Os clássicos da literatura costumam tratar de aspectos da vida que são de eterno apelo para a humanidade, como o amor, a vida, a política, a índole e a morte. Logo, uma obra clássica nunca sai de moda e são temas fundamentais para o desenvolvimento humano.

A literatura clássica é atemporal, pois a narrativa descrita no livro continua vigente por várias gerações. Os grandes autores possuem a genialidade de recriar a realidade social numa perspectiva única. Além disso, tais obras ampliam a visão do mundo e do comportamento humano, desenvolvendo senso crítico e reflexivo nos respectivos leitores. 

A linguagem desafiadora, mas precisa, demonstra o estilo primoroso e brilhante desses artistas. Seus livros distinguem o aspecto material ou linguístico, e o aspecto psíquico, mental, subjetivo, isto é, os traços que expressam a dimensão psicológica do artista, suas tendências, seu modo de ver e julgar o mundo em que vive. 

Essa linguagem culta, a qual obedece ao padrão normativo da língua, exige do leitor conhecimento vocabular e uma interpretação apurada, desenvolvendo seus aspectos cognitivos e mentais. 

Os clássicos da literatura são obras carregadas de colorido e elegância, decorrem do uso criterioso das figuras e dos ornatos de estilo configurando um acabamento ideal e o perfeito domínio da técnica literária, por isso tais livros são tão cobrados nos vestibulares mais concorridos do país.

Vestibulares e a Literatura

Os principais vestibulares públicos brasileiros, a cada ano, divulgam suas listas de leituras obrigatórias. Os títulos variam e integram o conteúdo da prova de Português, sendo as escolhas dos livros representativas dos diferentes períodos da literatura da língua portuguesa. 

cinco motivos para ler clássicos da literatura
Os clássicos da Literatura

Por exemplo, a Fuvest, o principal vestibular brasileiro para a entrada na Universidade de São Paulo (USP), integrou em sua lista de 2020 e integrará nas de 2021 e 2022 escritores como Eça de Queirós, Fernando Pessoa (Portugal), Mia Couto (Moçambique) e Pepetela (Angola). São países em que a língua portuguesa é falada e sua literatura é compartilhada e cultivada na mesma língua. Para nós, brasileiros, e, especialmente, estudantes, ler esses autores é uma oportunidade de abrir portas para diferentes modos de leitura do mundo, por isso quero trazer à discussão algumas questões que considero primordiais para esse tipo de leitura, ou seja, a leitura obrigatória. 

Quando falamos de leituras obrigatórias me refiro àquelas cuja compreensão textual e interpretativa são cobradas em vestibulares públicos. O aluno que se propõe a prestar estes exames precisará realizar tais leituras, senão este item lhe trará problemas futuros. 

Nos últimos anos do ensino médio, alguns estudantes sentem-se cobrados tanto pelos pais quanto pela escola, além da própria expectativa em concluir esta etapa.  Algumas escolas enfatizam tanto o vestibular que utilizam os clássicos da literatura de maneira sistematizada. 

Nesses locais, os estudantes precisam memorizar os aspectos das obras e de seus autores, como o estilo, linguagem e o contexto cronológico das fases literárias. Geralmente, quando o aluno não é um leitor assíduo, tem dificuldades em entender  a narrativa e consequentemente o sentido, resultando num período tedioso, complicado e desanimador. 

A literatura não deveria ser tratada somente como um objeto de estudo, analisando aspectos linguísticos e semânticos, mas algo em torno da história proposta em cada livro. Muitos currículos escolares colocam a literatura junto à área de Língua Portuguesa, sendo interpretada seguindo a análise do discurso.

A análise do discurso é um estudo voltado à interpretação textual em que os aspectos linguísticos e sociais da linguagem se tornam a principal chave de compreensão do texto, distanciando, nesse sentido, o próprio jovem da leitura, pois seu primeiro contato com a obra se dá por meio de uma leitura direcionada, destacando os aspectos linguísticos e formais do português. Portanto, o aluno não conhece estas obras por um aspecto pessoal, mas por uma obrigatoriedade escolar.

Quando o primeiro contato se estabelece por meio de um vínculo pessoal, e não direcionado e pré-estabelecido, fica mais fácil desenvolver uma relação íntima com o livro. Já quando este contato ocorre por uma necessidade, as chances de perder o entusiasmo e a curiosidade com a obra são maiores. 

Os estudantes de Letras, os quais estudam detalhadamente a literatura da língua portuguesa, sabem que os aspectos linguísticos e sociais da linguagem do texto são importantes, mas que não são os únicos elementos para a compreensão de uma obra literária. O ensinamento de literatura no ensino médio destoa do estudado por estes estudantes na faculdade. 

O aluno que realizará o vestibular preocupa-se em  decorar as características do enredo, dos personagens, da época ou do estilo do autor, isto é, atentar-se aos resumos e a fichas interpretativas, quando deveria ler atentamente o livro e relacioná-lo ao cotidiano, à cultura ou à sociedade brasileira.

O que é cobrado sobre literatura nos principais vestibulares do país?

Muitas perguntas literárias do vestibular são questões dissertativas abordando aspectos bem característicos da obra, logo será difícil responder às questões sem ter feito a leitura.

Dicas para se preparar para o vestibular
Como estudar literatura para o vestibular?

Antônio Candido, um dos principais críticos literários brasileiros, nos ensina que ao se ler uma obra literária é importante observarmos os fatores sociais que identificam a obra no tempo e no espaço; entretanto, ele também nos diz que esses elementos não são os únicos componentes de uma obra.

Por exemplo, identificar o ambiente, os costumes, os traços culturais e as ideias que compõem o enredo é importante, mas não é necessariamente a chave de compreensão da obra. Esses elementos servem de veículo para a corrente criadora da obra, ou seja, eles localizam a obra em um tempo e em um espaço – em um momento histórico-social.

A análise crítica, de fato, pretende ir mais fundo, sendo basicamente a procura dos elementos responsáveis pelo aspecto e o significado da obra, unificados para formar um todo indissolúvel

Antônio Candido

Vários vestibulares cobram a análise estrutural e estilística da obra,  mas também exigem dos estudantes uma análise crítica delas. Ele precisa ler as obras e ir além dos elementos externos, identificando os componentes e percebendo como o autor associa tais elementos (costumes, traços culturais, ideias etc.) para contextualizá-la verdadeiramente. 

Geralmente, nessas leituras obrigatórias os alunos analisam apenas os aspectos pré-estabelecidos e comentados por especialistas em blogs de literatura. Os clássicos da literatura são selecionadas por uma comissão que observa e julga a relevância do tema para aquele ano, portanto nenhuma seleção é aleatória no vestibular. 

Há um porquê dos livros selecionados estarem inseridos naquele momento histórico-social. Infelizmente, não é possível ter afinidade por todas as obras, mas é importante compreender suas peculiaridades e identidade, o que a torna um clássico. O estudante terá que fazer uma reflexão aprofundada relacionando temas e comparando-os com outras obras e situações do dia a dia.

Atenção!

Lembre-se que a pergunta dissertativa deve ser explicada com suas próprias palavras, demonstrando conhecimento sobre o livro e argumentando seus pontos de vista.

Como tornar uma leitura obrigatória algo prazeroso?

Dez maneiras de adquirir o hábito de ler
Apaixone-se pelos clássicos da literatura

O último ano do ensino médio é carregado de desafios e aprendizados solitários, e a leitura torna-se um desses aborrecimentos. Ela acaba servindo de ponte para algo externo ao invés de ser fonte para o interno do leitor.

Na escola, muitas vezes, lê-se um livro para “passar no vestibular”, “para responder às questões de língua portuguesa”, “para se aprender sobre alguma coisa”, mas não para desfrutar ou se beneficiar dessa leitura.

Logo, o aluno não desfruta do conhecimento que o livro lhe trará e não aproveita para descansar a mente e fomentar uma identificação cultural com a obra.Por isso, é muito importante se pensar como esse modo de contato com a literatura deve ser fomentado na formação leitora. 

A lista de livros do vestibular nem sempre é atrativa, no entanto não precisamos tornar esse momento um martírio. Afinal, os adolescentes precisarão conviver com algumas circunstâncias, fatores e pessoas de que não gostam. É assim também com a literatura. 

Também não é necessário simpatizar com todos os autores, épocas e estilos, contudo, assim como na vida, temos de conviver com pensamentos diferentes. Dessa forma, o discente deve olhar a obra com curiosidade, questionando-se: por que ela é tão relevante?

Busca a Dica!

O primeiro contato com a literatura é muito importante, pois a veremos como instigante ou enfadonha. A escola, por vezes, sistematiza a leitura, tornando-a objeto a ser observado, mas não vivenciado.

Outra dica significativa é situar as obras em um momento histórico, isto é, localizá-las no tempo e no espaço, pois isso trará compreensão de mundo ao leitor. Entretanto, não se esqueça de unir ao menos duas pessoas: o criador e o leitor.

É nesse sentido que são estabelecidos os aspectos humanos de um texto literário. Em outras palavras, é nessa ligação que podemos encontrar características humanas metaforizadas em palavras, faladas de maneira que nos permitam ter contato com diferentes experiências de vida e mundo.

Ademais, o jovem deve se habituar com os autores e as obras. Por exemplo, tente ler mais livros de um(a) mesmo(a) autor(a) para se familiarizar com a escrita e conheça a lista de livros do vestibular.

Agora, preste atenção nestas dicas:

  • Para se preparar, tente começar a ler os livros antecipadamente. 
  • Após a leitura, faça uma resenha. 
  • Anote suas impressões e interpretações sobre as obras.
  • Busque textos críticos que analisem esses livros. 
  • Faça uma comparação entre diferentes análises da obra e as observações anotadas em seu diário de leitura. 
  • Monte grupos de leituras e discussões com seus colegas. 
  • Explique o conteúdo do livro para um amigo ou familiar, isso irá ajudá-lo no processo de memorização.
  • Tente enxergar o livro em seu aspecto literário, ao invés de somente uma obrigação, pois cada livro possui elementos artísticos e estéticos que têm muito a nos dizer.

Há também alguns sites que podem lhe ajudar na hora dos estudos e nas leituras:

Já que o tema de hoje é sobre literatura, como devemos incentivar as crianças a lerem? Literatura infantil é realmente só para crianças? Clique na publicação abaixo e descubra mais sobre este tema!

Busca Prof. Brasil
Busca Prof. Brasil

Somos uma empresa de educação que promove experiências educativas inspiradoras para auxiliar os estudantes no aprendizado e aplicação do conteúdo. Nossa preocupação é com a formação integral de crianças e adolescentes.

Referências Bibliográficas

CANDIDO, Antonio. “Crítica e sociologia” In. Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011, pp. 13-25.

ÁRVORE. Por que ler os clássicos da literatura?. Leitura. Disponível em: https://www.arvore.com.br/blog/por-que-ler-os-classicos-da-literatura. Acesso em 08 de maio de 2022.

Deixe um comentário